terça-feira, 12 de julho de 2016

[União de Factos] Visita à Madeira - A Pérola do Atlântico - Episódio 2


Neste segundo episódio da nossa visita à Madeira, a pérola do Atlântico, partilhamos convosco um pouco mais do nosso primeiro dia naquela fantástica ilha. 

Tendo ficado pelo Funchal, visitámos o Jardim Tropical Monte Palace, ao qual chegámos através do teleférico.

sábado, 9 de julho de 2016

[União de Factos] Visita à Madeira - A Pérola do Atlântico - Episódio I


Neste primeiro episódio da nossa visita à Madeira, a pérola do Atlântico, partilhamos convosco um pouco do nosso dia naquela fantástica ilha. 

Tendo ficado pelo Funchal, visitámos o Parque de Santa Catarina, o Jardim Municipal e o Mercado dos Lavradores.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Aniversário do Partido Comunista Português celebrado em São Brás de Alportel


Como forma de comemorar o 94º aniversário do Partido Comunista Português, a Comissão Concelhia de São Brás de Alportel levou a efeito um almoço-convívio que reuniu, no passado dia 14 de Março, aproximadamente duas dezenas e meia de pessoas, entre militantes e simpatizantes.

Numa altura em que o Partido Comunista começa a preparar-se para as legislativas de 2015, o almoço que se estendeu durante grande parte da tarde, deu-se num misto de convívio e iniciativa política, tendo contado, para este último efeito, com a intervenção de Vasco Cardoso, membro da Comissão Política do Comité Central do PCP.

Durante a intervenção ressalvou-se o imenso esforço que as legislativas exigirão do colectivo partidário, esforço que será tanto menor quanto maior for o trabalho desenvolvido por cada um dos militantes e simpatizantes. Para o efeito, notou-se a importância da campanha de contactos recentemente levada a cabo a nível nacional pelo PCP. Aproveitando também o convívio, não faltaram as críticas ao Governo e aos partidos da maioria na Assembleia da República, pela forma como têm conduzido os destinos do país, não tendo também o PS ficado esquecido nas intervenções dos comunistas. 

Coleccionismo – paixão ou obsessão?

Para muitas pessoas, o conceito de coleccionismo é algo com que cresceram. Falando na primeira pessoa, basta-me recordar o início da década de 90 quando não era raro ver os mais diversos produtos a tentarem-nos convencer a comprá-los para que pudéssemos coleccionar algo. Entre os autocolantes que vinham com os Bollycao, aos tazos que acompanhavam os pacotes de batatas fritas, lá íamos alimentando as nossas colecções (e estômagos). Apesar destas colecções serem bem mais populares, uma “elite” por entre os coleccionadores mais novos lidava já com coisas mais sérias e, normalmente com a ajuda de um familiar mais velho, lá se iam dedicando ao coleccionismo de moedas – numismática – ou de selos – filatelia.

No entanto, se o coleccionismo daqueles objectos parece poder acompanhar a vida de uma pessoa, na transição da sua infância para a idade adulta, passando, evidentemente, pela adolescência e juventude, outros há que parecem não merecer o mesmo respeito dos pares. É, por exemplo, o caso dos brinquedos, coleccionáveis de filmes, livros de banda desenhada, entre outras coisas.

No entanto, será que coleccionar estes objectos pode ser interpretado como sintomático de um qualquer complexo de Peter Pan, de quem se rejeita a crescer e assumir responsabilidades? A experiência pessoal tem-me demonstrado o contrário. Além de eu próprio ser um coleccionador – tendo-me “especializado” nos últimos anos em coleccionáveis ligados à Saga Star Wars (uma colecção que, devo dizer, é bastante humilde) – tenho conhecido coleccionadores ligados às mais diversas áreas, sendo muitos deles até polivalentes no que ao tema das suas colecções diz respeito, e quase no seu todo, este grupo é composto por pessoas bastante capazes, responsáveis e equilibradas. Apesar de estar a falar de pessoas vindas dos mais diferenciados extractos sociais e com coleccionáveis bem diferentes – desde as figuras de qualidade da SideShow cujos preços rondam normalmente as centenas de euros, aos “carrinhos” da Hot Wheels, não esquecendo os famosos Lego – estamos perante homens e mulheres que, abraçando embora a fase da vida em que se encontram, não ignoram a ligação a um passado que, por um ou outro motivo, os continua a cativar. Assim, temos homens adultos que continuam a coleccionador figuras de acção – embora a maior parte das pessoas os chame de brinquedos – não esquecendo no entanto que está na altura de tratar do IRS ou de ir ver se o banco sempre irá aplicar a taxa negativa no empréstimo à habitação. Desde que praticado na medida certa, não colocando nunca em causa as finanças pessoais e familiares, o coleccionismo é um gosto tão válido como outro qualquer, já que decorre de uma escolha pessoal do coleccionador e cujo investimento não só pode não representar um mero gasto (como o que se prende com outros gostos pretensamente adultos), como vir a representar um investimento de facto com a valorização do coleccionável adquirido.

Evidentemente que o que motivará a maior parte dos coleccionadores não é esta possibilidade de lucro, mas sim o gosto pelo objecto – alguns poderão mesmo chamar-lhe um fetiche do objecto – que se concretiza na sua aquisição e muitas vezes exposição. Por isso mesmo, da próxima vez que alguém estiver numa caixa do supermercado à sua frente e quando questionado se o conjunto da Lego ou a figura das Tartarugas Ninja que leva é para embrulhar disser que não, já que é para o próprio, não o julgue. Pergunte-se é a si mesmo se na verdade não haveria uma colecção que o pudesse deixar a si mais feliz. 

Mário R. Cunha

Associação Recreativa & Cultural de Músicos festeja 25º aniversário com concertos e animação

Associação Recreativa & Cultural de Músicos (ARCM), em Faro, celebrou, no passado dia 14 de Março, um quarto de século na sua nova, embora provisória, sede – a antiga Fábrica da Cerveja, na zona da Vila-Adentro, que foi cedida pela Câmara Municipal de Faro e recuperada pelos membros e amigos da Associação.

As celebrações deste aniversário integraram as várias valências e actividades da Associação, contando com música, teatro, dança e artes plásticas, reiterando os obejctivos de promoção da cultura e das artes, com especial destaque para a música, procurando não só levar a cultura a todos, como alargar os horizontes culturais de Faro a novos estilos e experiências. Presentes nos festejos e contribuindo com as suas actuações estiveram bandas e artistas residentes e vários outros grupos que quiseram igualmente prestar a sua homenagem e dar a sua contribuição - Academia de dança do Algarve, Danças tradicionais Europeias, Garatuja, Fado, te-Atrito, An X Tasy, Ricardo Coelho Project, G.R.Y.T., Wasting Life, Mini Jazz, Mundo Pardo e na música electrónica Fenoid e o Colectivo D:VISÃO DJ&T@L

Também no dia 14 de Março, e simultaneamente aos festejos de aniversário, decorreram as eleições para os vários órgãos Associação Recreativa & Cultural de Músicos, contando a lista vencedora com a participação de Nelson Silva, jovem são-brasense que integra agora a direcção da mesma.

Mara Beldroegas

quinta-feira, 26 de março de 2015

Ponto Cruz Star Wars - My the force be with you


Depois do sucesso que foi no Natal, com este esquema super nerdástico (nerd + fantástico), e a pedido de várias famílias, que têm clamado pela sua pronta divulgação...

Aqui fica, para vocês, porque eu sou uma excelente pessoa, que só quer ver o mundo feliz:



Cores:
Vermelho anchor 46
Preto anchor 403
Cinzento anchor 399
Cobre anchor 349
Verde anchor 256


Have fun e partilhem as vossas obras de arte connosco!


Mara Beldroegas

terça-feira, 24 de março de 2015

PEZ My Little Pony: Friendship is Magic


Ora boas, 


Há muito tempo já sei, sei isso de cada vez que cá venho com meses de intervalo... Mas pronto, mudando de assunto:

Voltando a caminhar na senda das nerdices, como eu sou muito fã de Póneis, venho por este meio comunicar às vossas pessoas que os dispensadores PEZ de MLP:FIM já estão à venda, pelo menos, no Continente de Loulé, pelo que suponho que igualmente nos restantes, por este país fora.

Aqui ficam as versões existentes:


Aproveitem enquanto há! E digam-me coisas, que eu também gosto que falem comigo.

Mara Beldroegas